Tips After a Clean Windows XP Install

virtual-memory_thumb-5B14-5D

Below is a list of common things I usually do whenever I’ve finished (re)installing Windows XP. Some improve performance, others just suit my own taste. This list will eventually grow as I add other tricks.

Lets begin with some performance settings.

Right click “My Computer”, select “Properties”. Under “Advanced” tab, click the “Settings” button which is inside the “Performance” group box. Go to Advance Tab so we can start tweaking.

 

virtual-memoryConfiguring a SWAP partition

First, be sure to have a 2GB partition formatted as FAT16. It should be in the fastest of your drives but should not be in the same physical drive that contains Windows.

In the “Virtual Memory” groupbox, click “Change”. Then fill your 2GB partition with a pagefile and remove it from others if needed. It should be the only partition containing a pagefile. It should look like the picture on the right.

 

Why? this reduces unnecessary fragmentation by ensuring the swap file is always contiguous in the partition. If using a separate physical disk, read or writing the paging file will not affect normal disk usage.

 

 

caching Use free memory for system caching

In a single phrase: Unused memory is wasted memory. If it doesn’t hold anything, then what is it worth for? If you have 1GB+ of ram or so, you probably aren’t making use of all your memory all the time, specially if you use Windows XP, which is now considered a *cough* lightweight operating system.

Go back to the previous screen and select the radio button “System Cache” under the “Memory Usage” group box.

 

Why? Most of the time you aren’t making use of all your RAM. The days of Windows 98 when memory management was the same as no management are gone. Modern operating systems such as *cough* Vista, Seven and even Linux make use of this trick to speed up system performance, keeping common system resources available in memory avoiding using the pagefile.

 

 

Disable Autoplay for removable media

Today one of the most common methods of infecting a PC with a virus is with a USB drive. If you use your USB memory stick in a lot of computers, you are probably carrying a virus inside, even if you can’t see it. To reduce the risk of infection, we have to disable autoplay for removable media.

If you’re using Windows XP, you’ll have to download TweakUI. Vista (thankfully) has this option available on it’s control painel. Once you have installed TweakUI, open it and make it look like the following screens.

tweak-2tweak-1 

Why? By default, Windows tries to execute whatever is inside your disk, just like it does with CDs you load in the tray. This “feature” is called autoplay (or autorun)and works by writing a special file called “autorun.inf” to the root of your removable media, which tells Windows to execute whatever it says. I don’t have to say this is one of the stupidest things ever to do with something you’ve just plug in your PC. I wonder what could happen if, when you were at the Internet, Windows started executing every code it found lying around in a page corner.

 

Edit: As of February 24, 2009, Microsoft is distributing a new patch (KB967715) available through Windows Update to fix Autorun issues. Apparently, even the manual edit of registry settings wouldn’t complete disable Autorun. The following excerpt was taken from the Microsoft’s Help and Support page.

The updates offered in this article correctly disable the Autorun features. These features were not correctly disabled if you followed previously published guidance. The updates that are offered in this article have been distributed to the following systems through the Windows Update and Automatic update distribution channels:

  • Microsoft Windows 2000
  • Windows XP Service Pack 2
  • Windows XP Service Pack 3
  • Windows Server 2003 Service Pack 1
  • Windows Server 2003 Service Pack 2
  • Microsoft Windows 2000
  • Windows XP Service Pack 2
  • Windows XP Service Pack 3
  • Windows Server 2003 Service Pack 1
  • Windows Server 2003 Service Pack 2

This article also contains links to download locations to obtain the updates that correctly apply the registry key settings to disable Autorun capabilities.

So, if you don’t have automatic updates enabled, be sure to visit windowsupdate.com and update your system.

Copyright

remember-when-5B9-5D

Remember when...

I’m actually a believer of copyright. It’s original intention – to protect author’s rights over their work – is certainly valid and necessary, but the way the current law works and is enforced leaves room for such absurdities happening. It looks like some things need to be fundamentally rethought for the digital age.

 

The cartoon, albeit not copyrighted, explains the goal behind the lawsuit faced by The Pirate Bay in the Swedish courts and was published on their site in the second week of their trial.

Como Trocar a Bateria da CMOS de Notebooks HP

HP-20Pavilion-20DV6000-1_thumb-5B5-5D

HP Pavilion DV6000-1 Num post anterior, discutimos sobre o problema de superaquecimento dos notebooks HP dv6000 e descrevemos como recuperamos e atenuamos o problema no nosso HP dv6109us. No entanto, ainda há algo neste assunto que me inqueta.

 

 Por que o problema sempre demora aproximadamente 1 ano e meio para surgir?

 

A impressão é que os aparelhos foram programados para dar problema após 13 ou 14 meses de uso. Na internet várias pessoas relatam o aparecimento de problemas na wireless após 13 meses, sendo que um mês depois, o notebook apaga e não liga mais.

Já ouvi histórias de que o superaquecimento primeiro causa falha no chipset nForce, e que por isso o wireless cai primeiro. Em seguida, o as soldas da GPU se dilatam até que uma hora trincam. Mas então, porque elas não trincaram logo nos primeiros meses de uso?

E se não estou enganado, o outro controlador que alegam apresentar problemas fica do outro lado da placa mãe, bem longe da GPU. Como o superaquecimento poderia se espalhar tao longe?

Bom, minha suspeita é a seguinte. O que dura cerca de 1 ano e meio na maioria dos computadores, assim que efetuada a compra, e que todo mundo tem de trocar um dia?

 

Bateria HP dv6000 descarregada
A bateria da CMOS.

 

 

Localização da Bateria CMOS em VerdeE adivinhem? Ela fica do lado do chipset nForce, do lado do WiFi. Meu palpite é que estes dois podem estar relacionados de alguma forma.

 

Pode ser que não tenha nada a ver, mas de qualquer maneira teremos que trocar nossa bateria pois ela se esgotou. Uma bateria CMOS descarregada num notebook é mais difícil de descobrir, pois o sintoma mais comum deste problema, o reset do relógio do sistema, so ocorrerá se o note estiver fora da energia, sem bateria e desconectado da internet (o Windows ajusta o relógio automaticamente pela internet de vez em quando). O máximo que poderá acontecer é o note atrasar algumas horas durante a noite.

 

Update: Bom, acho que na verdade pode não ter nada a ver mesmo 😛 Como alerta o visitante Diego, em seu comentário mais abaixo, a wireless não é controlada pelo south bridge nForce (MCP51), mas sim pelo problemático north bridge (cujas soldas trincam devido à fadiga térmica). Uma pena, pois teorias da conspiração são deveras mais legais!

Obs: se for realmente trocar a bateria, faça com o notebook completamente desligado. Retire a bateria (a grande principal, de alimentação) e desconecte o plugue da fonte, se ele estiver conectado.

 

Substituindo a Bateria De Seu Notebook HP Pavillion dv6000

Se você já substituiu uma bateria de um desktop comum pode achar que a bateria do notebook é diferente das que você está acostumado a trabalhar. Inclusive, há “assistências” que cobram de R$50 à R$90 reais para trocá-la, sem jamais contar ao cliente que uma bateria dessa pode ser comprada em qualquer relojoaria por R$3,70. Esse foi o valor que paguei na Cetra, em Vinhedo, que não é uma relojoaria mas sim uma loja de informática (e bem bacana por sinal).

A bateria é do tipo CR2032 comum, com a diferença que está com um conector colado para ser plugado diretamente na placa mãe.

 

Para começar, despluguamos a bateria da placa mãe e a descolamos a borrachinha branca que a prendia no lugar. Com um estilete, cortamos a capa mais externa com cuidado para não cortar os fios ou estragar o encape de plástico que circundava a bateria.

Bateria original HP dv6000Bateria original HP dv6000 

A seguir, fizemos um corte no disquinho de plástico para retirá-lo por inteiro.

Bateria original HP dv6000 desmontada 

Com a bateria nova, soldamos os conectores nos polos corretos, com o vermelho positivo indo no lado marcado por um sinal de “mais” na bateria. (soldar os conectores na bateria pode danificá-la, mas nós fizemos assim mesmo).

A seguir, transferimos o disquinho de plástico (que evita que os polos se toquem) para a bateria nova e verificamos com o multímetro se ela havia sobrevivido ao processo e nao estava em curto, que marcou 3.2v. É normal uma bateria nova marcar mais do que seu valor nominal, que seria de 3v.

Bateria nova HP dv6000 adaptada

Finalmente, encapamos a bateria novamente com fita isolante (de preferência use fita de autofusão), colamos a borracinha branca embaixo novamente e a conectamos à placa mãe, fixando no mesmo lugar de antes.

Testando

Com tudo novamente no lugar, voltamos a bateria e conectamos a fonte e ligamos o notebook. Em primeiro lugar, aguardamos o logo da HP aparecer na tela para então apertarmos F10 e entrarmos na BIOS. Ajustamos a hora correta, demos um “reset default settings” e em seguida um “save settings and reboot”. Ao entrar no Windows, verificamos que tudo estava (na medida do possível) em ordem.

Agora, precisávamos verificar se bateria estava realmente aguentando segurar as configurações. Desligamos o notebook completamente, removemos a bateria (a grande) e desconectamos a fonte de energia. Para remover quaisquer resquícios de energia, seguramos o botão power do notebook por cerca de 60 segundos e o deixamos quieto por mais uns 10 minutos sem nenhuma fonte de energia.

Após esperar este tempinho, tudo o que tínhamos a fazer era religar a bateria e a fonte e entrar na BIOS novamente para verificar se o relógio ainda estava regulado – é melhor entrar na BIOS antes de tentar ligar o sistema todo pois o Windows poderia ajustar o relógio automaticamente com um servidor de tempo na internet antes que pudéssemos conferir o resultado. Tudo estava em ordem 🙂

Installing Debian Testing on VirtualPC 2007

image4_thumb-5B4-5D

If you tried installing Debian testing or any other recent flavor of Linux on Microsoft’s VirtualPC 2007 you probably hit the wall with the “An unrecoverable processor error has been encountered. The virtual machine will reset now.” error during the machine’s first boot after installation.

The solution?

Add noreplace-paravirt to the boot options in grub’s kernel entry.

You may also want to add clocksource=pit as well to solve timing issues and vga=791 for a 1024×768 resolution text mode.

 

Booting in a usable terminal

To boot in a usable terminal, select the safe (single-user) mode (just select, do not press enter).

image

Press ‘e’ to edit the command, select the middle line as shown in the picture below then press ‘e’ again. Add the noreplace-paravirt parameter to the end of the line and press enter to go back to the previous screen. Press ‘b’ to boot using the selected kernel entry.

image

 

Once you get into a usable terminal, we need to make those changes permanent. We will have to edit /boot/grub/menu.lst and add noreplace-paravirt in the “default kernel options” and the rest in the “additional options” as shown on the two pictures below.

imageimage

 

Starting X

Well, if you continue booting and end up in X you will certainly get nothing but a garbled screen. This happens because VirtualPC doesn’t support the default 24 bit color depth of X and we will have to edit xorg.conf and tell it to use only 16 (or 32?) bit colors.

Just open /etc/X11/xorg.conf then look for the “Screen” section. Add the line DefaultDepth 16 as in the picture below, save and reboot (or just restart x).

image

 

Conclusion

Ta-daa.

image image

 

I was hoping to see KDE4 here, but it looks like debian development is just too slow. I mean, it actually was debian unstable. Ubuntu has had KDE4 out-of-the-box for months now, and it is pretty stable. Wtf.

 

Edit: Debian 5.0 has just been released. Hopefully KDE4 will move from experimental to unstable soon.

HP dv6000 não liga mais – o que fazer?

7-02-08-nvidia

HP dv6000

De uma hora pra outra, seu notebook não ligou mais. Talvez ele já estivesse estranho, com o wireless deixando de funcionar. Algumas travadas, tela embaralhada; e algum tempo depois, veja só! Você tenta ligar, as luzes acendem por um tempo, se apagam, e o computador não liga.

Pois é, este é um problema bem conhecido, e de fato, quase todos modelos de notebook da HP que combinam processador AMD e chipset NVIDIA podem (ou irão) apresentá-lo.

 

A HP identificou um problema de hardware com alguns notebooks HP Pavilion séries dv2000/dv6000 e Compaq Presario séries V3000/V6000 e também lançou um novo BIOS para esses notebooks: versão F.39 para dv2000/dv6000 e versão F.3D para dv6000/V6000.

 

Conheci o problema depois que dv6109us da minha namorada parou com os mesmos sintomas. Segundo a etiqueta da HP na parte inferior do case, o modelo é o dv6109us, número de produto RN910UA#ABA que é no entanto referido no site da HP como dv6109om por alguma razão que desconheço. Possui um processador Turion 64 e um chipset de video (compartilhado) NVIDIA Go 6150.

 

Sobre o problema

NVIDIA No entanto, nos informamos melhor sobre este problema entre os HPs com processadores AMD e chipsets NVIDIA um tanto tarde, somente após o primeiro susto. Após um ano e meio de funcionamento, o notebook reiniciou umas duas vezes, e num instante apresentou a tela embaralhada. Depois disso, não ligou mais. O máximo que fazia era acender algumas luzinhas azuis para então morrer de novo, sem mostrar nada na tela.

O problema? O superaquecimento do chipset NVIDIA faz com que algumas de suas soldas trinquem e alguns pinos do chip se desconectem da placa mãe. Por sorte, na maioria dos casos não chega a danificar nenhum circuito.

Após uma breve procura na internet, vimos que não estávamos sozinhos: o problema da combinação HP+AMD+NVIDIA estava diretamente relacionada aos chips nvidia e afetava uma variedade de modelos de notebooks não somente da HP como da Dell, e estaria atingindo até mesmo desktops.

A HP lançou uma atualização de BIOS que tenta amenizar o problema, mas bem, se esta foi uma falha de projeto, não existirá software que o elimine completamente e certamente todos os modelos afetados estão fadados a falhar mais cedo ou mais tarde. É triste, mas é verdade. Além do mais, a solução encontrada pela HP para aliviar o problema não passa de uma gambiarra. É que notebooks desligam suas ventoinhas para economizar energia, e são muito bons no gerenciamento que fazem. As vezes operam com seus fans completamente desligados, e mesmo assim, ficam bem longe de queimar.

Mas para remediar o problema da NVIDIA, do qual a HP certamente não é a culpada, a HP fez a única coisa que estava a seu alcance: manter a ventoinha do processador ligada o tempo todo. Ótimo para os processadores, péssimo para sua bateria. Isso quer dizer que, se antes você achava que sua bateria durava pouco, acostume-se, pois agora ela vai durar muito menos. Mas pelo menos o computador vai funcionar um pouco mais 🙂

Sobre a extensão da garantia

Ao descobrir o problema, a HP extendeu a garantia destes produtos automaticamente em 2 anos e efetuou uma espécie de “recall” dos modelos atingidos. Infelizmente, no nosso caso não éramos elegíveis para o reparo gratuito pois a garantia HP se refere apenas ao país de origem, e nosso notebook era importado. Vale a pena ler o anuncio oficial da HP sobre a extensão da garantia e ligar no call center da HP do Brasil em 0800-709-7751 para mais informações se estiver na dúvida.

Procurando uma "assistência"

Na primeira vez, decidimos procurar uma assistência especializada que fazia este tipo reparo pois não queríamos arriscar perder de uma vez o que ainda tinha conserto. O "técnico" (na verdade deveria ser apenas um atendente muito mal informado, mas vamos lá) nos disse que poderia tentar reparar o componente mas que não havia garantia nenhuma do serviço, pois este era reincidente. Até ai tudo bem. Perguntei se ele poderia atualizar a BIOS para tentar solucionar de vez o problema mas, pelo jeito, o rapaz não sabia do que eu estava falando, já que disse que "não seria possível" e firmou-se em dizer que se eu "perdesse a senha da BIOS o computador não ligaria mais" (?). Ou o cara não queria correr o risco de fazer besteira, ou realmente queria que o problema aparecesse de novo para eu pagar novamente pelo serviço. Bom, deixei lá assim mesmo.

Alguns dias depois, o computador voltou. E funcionando! Por cerca de umas 2h o note realmente funcionou, até apagar de novo e voltar com o mesmo problema.

 

Bom, não adianta, é como diz o ditado: Se quer algo bem feito, então faça você mesmo!

 

Parte II: Faça você mesmo >>

HP dv6000 não liga mais – o que fazer? (parte II)

406-256-BGA_thumb

Parte II: Faça você mesmo!

A solução é simples. Se a solda soltou, é só soldar de novo! O problema é que não podemos usar um ferro de solda comum pois estamos lidando com SMDs, ou surface-mount devices, cujos pinos são tão minúsculos que um ferro de solda os grudaria todos juntos.BGA

Além do mais, o chipset é do tipo BGA, que requer uma técnica diferente para ressoldagem, conhecida como "solder reflow". Para fazê-la vamos precisar de um soprador térmico que chegue aos 250~300ºC, mas ja li relatos de pessoas que fizeram com o secador de cabelos, e no youtube tem gente que fez até com pavio. E parece que todos funcionaram. Não sei se tão bem quanto usando um soprador térmico como faremos aqui, mas para quem estiver disposto à arriscar… deve valer a tentativa!

 

Mas, se tivéssemos dinheiro, certamente compraríamos uma maquininha dessa aqui e aproveitaríamos para abrir uma empresa, pois há pessoas lucrando muito realizando este tipo de reparo nas centenas de notebooks HPs que falharam e ainda falham por aí!

 

Se você está decidido a tentar consertar seu próprio notebook e continuar lendo este artigo, primeiro leia com atenção o parágrafo abaixo. Continue lendo apenas se concordar com cada palavra escrita.

Antes de começar, leia com atenção:

Tenha em mente que, em nenhuma hipótese o autor desse blog poderá ser responsabilizado por danos diretos ou indiretos, especiais ou incidentais de qualquer natureza resultante ou em conexão com o uso ou execução de informações disponíveis neste site. Assim sendo, o autor não se responsabiliza por qualquer decisão ou medida adotada com base em informação contida neste website, e tampouco por prejuízos daí decorrentes. Como as informações contidas neste site poderão ser atualizadas ou modificadas em qualquer momento e sem prévio aviso, não devem ser interpretadas como definitivas. Lembre-se: você esta sob sua própria conta e risco. E no caso de qualquer problema ou acidente, a responsabilidade é exclusivamente sua. Se não concorda, não siga este material, pois ele não foi feito para ser seguido.

Isto não é um tutorial nem um guia, apenas um relato de como recuperamos nosso aparelho. As informações aqui disponíveis são destinadas exclusivamente para fins educacionais e/ou curiosidade.

E não se esqueça: A HP extendeu a garantia destes produtos automaticamente em 2 anos. Antes de tudo, tente acionar a garantia HP. Caso você tenha certeza de que é elegível para o reparo gratuito, tente ser mais firme quanto a isso na autorizada, ela não pode se negar a realizar o serviço. De uma olhada no anuncio oficial da HP sobre a extensão da garantia e tente ligar no call center da HP do Brasil em 0800-709-7751.

Algumas Precauções

Se mesmo assim decidir continuar, tenha certeza de tomar algumas preucauções. Certifique-se de estar livre de eletricidade estática enquanto manuseia placas de circuito. Se você não tem uma pulseira anti-estática, ao menos toque em uma superfície metálica de vez em quando ou, mais simples ainda, faça o manuseio das peças descalço (obviamente desligue-o da tomada e retire a bateria antes deste passo).

Também lembre de ter uma superfície limpa e com espaço suficiente para se trabalhar adequadamente. Outro requisito muito importante é ler o artigo por completo antes de tentar qualquer coisa, caso você decida consertar seu note você mesmo. Tente pesquisar mais sobre o assunto antes.

Material Necessário

Ao decorrer do reparo, fomos precisando dos seguintes itens:

 

Então, depois de pesquisar muito na internet, ler alguns fóruns e assistir alguns vídeos no youtube, finalmente criamos coragem e começamos a desmontar nosso notebook!

Parte III: Desmontando >>

HP dv6000 não liga mais – o que fazer? (parte III)

IMGP0094_thumb-5B13-5D

Parte III: Desmontando

Antes de começar, despluguamos a fonte de alimentação e removemos a bateria. Viramos o notebook de forma que a parte inferior estivesse voltada para nós e o apoiamos sob uma superfície macia para evitar arranhões na parte de cima. A luva do próprio notebook serviou perfeitamente para esta função.

Parte Inferior

Começamos retirando os parafusos da parte inferior do notebook. Há dois compartimentos em que não foi necessário retirar os parafusos, pois estes saem junto com as tampas e ficam seguros em suas posições. Em um destes compartimentos está o HD, no outro estão os módulos de memória e o WiFi.

Módulos de MemóriaHard Disk e WiFi

Para retirar o HD, o levantamos pela abinha de plastico e o guardamos longe de peças imantadas (como nossa chave philips). Para retirar as memórias, basta puxar as duas abinhas metálicas de forma a liberar os chips, que se inclinam 45º imediatamente e saem sem esforço. Para retirar o WiFi, desconectamos os cabinhos (o cinza da esquerda, o preto da direita) e retiramos seus parafusos. Como as memórias, o chip se inclina automaticamente e sai com facilidade.

Vista inferior HP dv6109us

Continuamos removendo todos os parafusos da parte inferior, incluindo os dois que estão ao lado do WiFi e o que está embaixo do HD. Na barrinha de plástico dentro do compartimento das memórias está escrito "remove" e há duas setinhas apontando os parafusos hexagonais que também devem ser retirados. Adaptamos uma chave para girá-los, mas um alicate pequeno também serviria.

Parafuso sob HD Drive de DVD

Após retirar o parafuso indicado em verde na imagem acima à direita, é possível retirar o drive de DVD. Ao retirar o drive, existem mais 3 parafusos escondidos na lateral do compartimento que devem ser retirados. Depois de retirarmos todos parafusos, inclusive aqueles que estavam no compartimento da bateria, pudemos virar o notebook para cima para começarmos a abrir e desencaixar a parte superior.

 

Painel frontal superior

Parte Superior

Começamos desencaixando (apenas desencaixando, não puxando, pois há cabos conectados) o painel frontal onde ficam os botões de power e volume. Em seguida, desencaixamos o teclado, prestando atenção no flat cable que o conectava à placa mãe (indicado em roxo na figura abaixo). Para retirá-lo, é necessário primeiro puxar as duas abinhas cinza escuro do conector para desprendê-lo, e só então puxar, sem fazer força.

 

Base do teclado

 

Agora já era possível retirar os cabos que ligam o painel superior apenas puxando-os de seus conectores, indicados em verde na figura acima. Desconectamos também o touchpad (conector pequeno ao lado do conector do teclado) da mesma maneira que fizemos anteriormente, primeiro desprendendo suas travinhas e em seguida desconectando o cabo, sem fazermos força.

Em sequência, retiramos o display e a peça de plástico do case que fica atrás dos parafusos do display. Esta peça prende a base de metal que protege a placa mãe. Retiramos todos os parafusos que prendem essa base de metal e aproveitamos para ir soltando o resto do case superior que, caso realmente tivéssemos tirado todos os parafusos da parte de baixo, estaria apenas encaixado na parte inferior. Foi preciso cuidado ao retirar ao display, pois os fiozinhos cinza e preto, que são a antena do WiFi, estavam presos a base de metal. O melhor foi mantê-los presos e retirar a base e o display juntos de uma vez.

Desparafusando o display Placa mãe ainda presa

 

Estávamos quase lá! Uma vez removida a base de metal sob o teclado, finalmente chegamos à placa mãe. Removemos o parafuso que segura o cooler, os dois sobre a pecinha de metal e os outros perto do controle remoto. Desencaixamos o suporte do controle remoto e levantamos a placa, que estava presa pelos cabos que vem da fonte de energia e pelo que vem dos plugs de audio. Desconectamos todos e retiramos a placa, tomando cuidado com os conectores que enroscavam na esquerda do case.

Retirando suporte do controle remotoPlaca mãe desencaixada

 

Pronto! A esta altura a placa mãe estava finalmente solta e pronta para ser manuseada.

Placa mãe HP dv6109us

 

Parte IV: Ressoldando! >>

HP dv6000 não liga mais – o que fazer? (parte IV)

IMGP0132_thumb-5B8-5D

Parte IV: Ressoldando!

Finalmente, a etapa em que traremos nosso notebook de volta à vida!

Antes de continuar, devo ressaltar novamente: se for seguir este material, tenha certeza de que quer fazer isto. Você pode danificar seu notebook para sempre e a única saída será comprar uma nova placa mãe, que custará em torno de R$1800. Fizemos este procedimento pois a garantia do produto já havia terminado, e como o produto era importado não o podíamos enviar para o recall, que se restringe ao país de origem (no nosso caso, os estados unidos). Este procedimento deve ser adotado apenas em última instância, se você não tiver medo de perder seu notebook ou se não tiver outra alternativa.

Cuidadosamente, retiramos o dissipador de calor da placa, primeiro desconectando o cabinho, depois removendo o parafuso acima da GPU e os outro quatro que guardam a CPU na sequência indicada (há os números 1-2-3-4 escritos perto de cada parafuso, você deve removê-los em ordem para evitar danos à CPU por pressão excessiva em apenas parte do chip). A GPU é o chipset gráfico que está nos causando problemas e está marcada em vermelho na figura da esquerda logo abaixo. Se houver uma borracinha colorida cobrindo a placa, a retire (e guarde) e você verá a palavra "NVIDIA" escrita no topo do circuito. Este quadradinho preto é conhecido como die e é também o núcleo do chip.

Chipset NVIDIA Geforce Go 6150 Processador AMD Turion 64

Continuando, destravamos o processador girando a travinha para a posição "open" e o guardamos num local seguro. Tenha certeza de estar livre de estática se fizer isso! Aproveite para limpar qualquer resquício de pasta térmica que esteja sob os dies do processador e da gpu com o pano macio e o álcool isopropílico (cuidado pois o álcool isopropílico é tóxico – esteja usando luvas e não o inale).

Agora iremos começar a ressoldagem da placa. Para isso, embrulhamos a placa mãe em papel alumínio usando duas voltas (como queremos manter o calor longe da placa, embrulhamos com a parte mais brilhante voltada para o lado de fora). Com a unha, marcamos a posição do chipset gráfico até cortar o papel, que se desprende com certa facilidade. Perto do chip, fixamos o papel junto da placa, mas no restante deixamos um colchão de ar entre ela e o alumínio. O resultado está na foto à seguir:

Pronta para o forno!

 

Estava chegando a hora de usarmos nosso soprador térmico. Para nossa sorte, no youtube há um video demonstrando essa etapa, detalhando todas as fases do processo. Bom, na verdade o vídeo é um tanto monótono, mas ao menos é bem completo! O ideal seria acompanhar as temperaturas usando um termômetro infravermelho, mas nos viramos sem um apenas seguindo o video.

 

 

Obs: Preste atenção nas temperaturas e não despreze as etapas de pré-aquecimento e resfriamento: se você subir a temperatura rápido demais, ou abaixar rápido demais, sua placa mãe ou seus componentes poderão trincar; e ai não terá mais volta! Abaixo está a descrição de cada etapa da ressoldagem:

1) Preheat ou pré-aquecimento, que consiste em gradualmente elevar a temperatura até a zona de pré-aquecimento em que os solventes serão evaporados da pasta de solda;

2) Flux Activation ou ativação do fluxo, que consiste em elevar a solda desidratada até uma temperatura em que ela se torne quimicamente ativada, permitindo que reaja com e remova óxidos e contaminantes da superfície;

3) Actual Reflow ou refluxo proproiamente dito, que consiste em elevar a temperatura até o ponto em que a solda derreta um filete de solda se forme entre o componente e a placa. A temperatura de pico deve ser significantemente superior que o ponto de derretimento da solda para assegurar uma boa liga, mas não tão alta para não danificar os componentes;

4) Cooldown ou resfriamento, que consiste em abaixar a temperatura em velocidade alta o suficiente para formar pequenos grãos que aumentam a resistência da solda mas também baixa o suficiente para evitar danos termomecânicos aos componentes, até que a solda se torne sólida de novo, formando uma boa liga metalúrgica entre os componentes e a placa.

 

Bom, no nosso caso, acabamos usando uma arminha um pouco mais potente do que o necessário pois era o que tínhamos à mão 🙂

Cozinhando à 300ºC! Solder reflow

Obs: Sim, isto é uma cozinha!

 

Terminado o processo, e com esperança de tudo ter dado certo, pudemos então tentar arrumar a origem do problema para que ele não ocorresse novamente!

 

Parte V: Corrigindo >>

HP dv6000 não liga mais – o que fazer? (parte V)

pasta_ak450_akasa_thumb-5B4-5D

Parte V: Corrigindo a raiz do problema

O que tínhamos a fazer agora era cuidar para que o superaquecimento não ocorresse novamente. Lembra daquela pecinha de borracha que estava entre o chipset e o dissipador de calor? Pois bem… podíamos retorná-la em seu lugar como se nada tivesse acontecido, montar o computador e usar por algum tempo até ele queimar de novo, ou… fazer um contato de verdade, de metal, que melhorasse o fluxo de calor até o dissipador e diminuísse a temperatura do chipset.

O problema é que se você errar muito na espessura no metal, na hora de prender o dissipador a pressão no chip pode ser muita, e o chip pode rachar. E ai não tem mais volta…

Melhorando o fluxo de calor para o dissipador

Mas no nosso caso, esta já era a terceira vez que o problema acontecia. Na segunda, fabricamos nossa própria pecinha de cobre com cerca de 2mm de espessura e usamos o computador por um dia inteiro até a solda trincar de novo. Talvez o cobre não estivesse polido o suficiente. Na terceira vez, decidimos adaptar uma outra solução que encontramos num forum pela internet que não me recordo o nome:

Pasta térmica Akasa Num post, um rapaz parece ter resolvido o problema dobrando alumínio de marmitex (soluções brasileiras são sempre as mais legais) e recheando com pasta térmica até conseguir a espessura adequada. Em todo caso, é bom lembrar de limpar as superfícies (do dissipador e dos dies, tanto do chipset quanto do processador) utilizando álcool isopropílico e de estar sempre usando luvas, tanto para proteger suas mãos do álcool quanto para proteger os circuitos da gordura de suas mãos quando for aplicar a pasta.

 

 

Como tínhamos alguns metros de folhas alumínio industrial sobrando na despensa, recortamos uma tira como a da figura acima, a limpamos com álcool isopropílico, dobramos como uma sanfona, e na última dobra, demos a volta na peça para evitar que abra. Reabrimos a peça, passamos pasta em todas dobras (utilizando uma quantidade mínima, sempre), a dobramos de volta e então a firmamos com um alicate, formando uma peça retangular de alumínio contendo pasta térmica entre suas camadas internas.

IMGP0186 IMGP0125 IMGP0130

Finalmente, aplicamos a pasta térmica no die do chipset e na parte externa da peça, a substituímos no dissipador, prendemos tudo, conectamos algumas coisas, ligamos e…

 

Notebook HP dv6109us consertado após ressolda do chipset de vídeo

Tcharam!

 

Para ligar a primeira vez, conectamos apenas o mínimo necessário para verificar se o método havia funcionado. Conectamos o cooler na placa-mãe, o conector da placa que contem a entrada de energia, colocamos alguns parafusos para prender a placa-mãe ao case, encaixamos as memórias, o conector do painel que contem o botão power e conectamos o LCD. Pressionamos o botão power para ligar e aguardamos apenas o tempo suficiente para visualizar o lindo logo da HP aparecendo na tela e então o desligamos de novo, evitando as possíveis mensagens de erro que apareceriam na tela devido ao note estar pela metade.

dv6109us desmontado Concreto armado, eu te amo! S2

 

Finalmente, a Conclusão!

Continuamos remontando nosso notebook para verificar se as temperaturas estavam num nível aceitável. Atualizamos a BIOS e então conferimos o resultado final. O chipset gráfico ficou muito bom, com temperaturas em torno de 50°. Mas como não limpei direito o processador, acho que sua temperatura aumentou uns 5°C na média. Se a solda trincar de novo, presto mais atenção da próxima vez!

HP dv6109us ligando após reparo no chipsetDesktop Notebook HP 
Temperatura da placa mãe, processador e chipset de vídeo Temperatura do chipset de vídeo

Para medir a temperatura do laptop, utilizamos o software SIW, freeware que pode ser obtido nesta página. Já para medir a temperatura do vídeo, basta entrar no painel de controle NVIDIA, clicando com o botão direito no ícone NVIDIA ao lado do relógio do Windows e selecionando “NVIDIA Display -> Monitor do Laptop".

 

 

Bom, foi assim que economizamos mais R$200 para alguem ter feito o mesmo. Caso não desse certo, provavelmente tentaríamos a ressolda denovo. Se mesmo assim não resolvesse, bom, meu sogro já havia encomendado um lindo LG E500-K, que, além de ser melhor do que o HP antigo, ainda saiu mais barato!

Além do mais, por mais que o dissipador esteja melhorado, ainda era preciso atualizar a BIOS para a versão mais recente para não arriscar perdê-lo de novo. Agora estamos o utilizando sem bateria, apenas em casa, como se fosse um desktop para não forçá-lo muito. A atualização da BIOS F.3D para notebooks com processadores AMD pode ser obtida na página do produto HP e não leva mais do que 5 minutos para instalar. Mas tenha certeza de ler as instruções que aparecem na tela com atenção e de sempre segui-las à risca!

Qualquer outra dúvida ou sugestão, deixe um comentário!

 

Agradecimentos

Agradecimentos à minha namorada pela oportunidade de aprender um pouco mais, por emprestar a câmera fotográfica e por cozinhar pães de batata enquanto a gente cozinhava o notebook! E ao meu sogro por deixar (e me ajudar) a mandar 300ºC diretos na placa mãe do seu próprio notebook sobre a mesa da cozinha!

 

E a você, que está lendo, obrigado pela leitura! 🙂

 

 

Edit em 25/02/2009: Parte VI incorporada ao post original, considerando o feedback das pessoas que tentaram o mesmo procedimento para recuparar seus notebooks HP. Parabéns a quem conseguiu!

 

  • Parte VI: Feedback! >>
  • HP dv6000 não liga mais – o que fazer? (parte VI)

    video60e219663867-5B5-5D

    Parte VI: Feedback!

    Como imaginei, alguns leitores resolveram arriscar e tentar seguir o mesmo procedimento que nós. Parabéns aos que conseguiram recuperar seus aparelhos! No entanto, gostaria que prestassem muita atenção às temperaturas que seus chipsets e processadores estão trabalhando para verificar se o trabalho foi realmente realizado corretamente. É imprescindível também que todos atualizem suas BIOS uma vez que o sistema volte a funcionar, se não em pouco tempo todo trabalho realizado poderá ser perdido novamente!

     

    Aos que não conseguiram, bom, devo ressaltar que nem todos notebooks são recuperáveis com este método. Se a solda trincou de uma maneira que uma das “balls” da ball grid array se soltou, o chip deverá ser removido e sua solda refeita, o que só pode ser feito numa estação de ressolda profissional como essa aqui

     

    Estação de ressolda profissional

     

    Mas se você estiver se sentindo esperançoso, ainda há alguns outros procedimentos que valem a pena tentar para verificar se a trabalheira não foi em vão e você, finalmente, conseguir recuperar seu notebook.

    Caso o notebook esteja da mesma forma ou se ele passou a emitir sinais sonoros (um beep longo e dois curtos), mas mesmo assim nada aparece na tela:

    O primeiro procedimento a ser testado consiste em tentar retirar toda energia acumulada no aparelho. Retire a bateria do notebook, desplugue o cabo de alimentação, e, com o notebook totalmente sem energia, segure o botão power por cerca de 60 segundos. Ligue apenas o cabo de força e tente ligar normalmente.

    O segundo consiste em repetir a ressolda com o soprador térmico. Talvez você não tenha aplicado calor suficiente da primeira vez e a solda não ficou bem feita. Preste atenção ao estágio de pré-aquecimento e espalhe bem o calor por toda a placa.

    O terceiro também consiste em repetir a ressolda com o soprador termico. Porém desta vez, ao invés de concentrar o calor no chipset de vídeo, concentre no chipset nForce, que fica do lado do WiFi e está geralmente protegido por um plástico preto adesivo (que deve ser retirado, obviamente, antes de começar o refluxo da solda). O chipset nForce é responsável por coordenar a placa mãe e também pode se aquecer demais. Acredito que a falha no WiFi esteja mais relacionada com este circuito, já que estão tão próximos, porém é quase um chute. De novo, se quiser arriscar tente por sua conta e risco.

    Caso o notebook ligue e entre no Windows, mas o Wireless ainda não funciona:

    Se você conseguiu fazer o notebook ligar, mas o Windows ainda não reconhece o Wireless (e nem a luzinha azul do painel do notebook acende mesmo quando há redes sem fio presentes), tente primeiro resetar a BIOS. Aproveite e veja se a bateria da BIOS não está descarregada, como foi o nosso caso. Se mesmo assim não resolver, formate e reinstale o Windows (você fez aqueles discos de recuperação da HP, certo?)

     

     

    Com o tempo, novas informações serão adicionadas aqui. Boa sorte!